Braços robóticos da Google estão aprendendo a pegar coisas por conta própria

7 dicas para você se dar bem nos sites de jogos virtuais!
10/03/2016
Facebook ativa o Safety Check no Brasil por conta de alagamentos
13/03/2016

Braços robóticos da Google estão aprendendo a pegar coisas por conta própria

Quando se falam sobre a ideia dos robôs substituindo os humanos em tudo, nós achamos que temos uma vantagem, já que somos nós que construímos e programamos eles, mas isso não é necessariamente verdade agora. A Google vem tomando uma forma diferente de treinar seus robôs, ela está deixando com que eles aprendam por conta própria. Na verdade, esta não é uma técnica recente. Ela é bem estudada na inteligência artificial através de mecanismos como redes neurais, algoritmos genéticos e computação evolutiva. Porém agora, os cientistas da Google lançaram um estudo mostrando como eles conectaram 14 braços robóticos juntos e usaram redes neurais para que eles aprendessem por conta própria a pegar coisas google-robot-arms-learn-to-grasp-832x333 Essa abordagem imita a forma em que crianças jovens, entre um e quatros anos, aprendem e essencialmente está ajudando os robôs a desenvolverem uma certa coordenação ocular-motora. Tipicamente, um robô seria programado para fazer tarefas específicas, mas este método mostra como eles podem aprender através de tentativa e erro em combinação com a rede neural - do mesmo jeito que as crianças aprendem alguma coisa observando outras pessoas. A ideia é que robôs no futuro poderão interagir com objetos que eles não conhecem, sem terem sido pré-programados anteriormente. Os pesquisadores deixaram os robôs pegarem objetos de caixas todos os dias e depois de 800 mil tentativas, eles observaram o comportamento reativo dos seus braços. Eles ficaram melhores em pegar objetos, mas também começaram a ajudar o aperto da mão automaticamente, para se ajustar a  cada tarefa, sem nenhuma instrução dos cientistas. Com o passar do tempo, os robôs começaram a  desenvolver suas próprias técnicas para suas tarefas e até mesmo começaram a ajudar a posição dos objetos no chão antes de pega-los, para fazer com que fosse mais fácil segurá-los. Tudo isso sem nenhuma programação adicional dos cientistas.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *